Arquivo para março, 2011

Sem Olhares

Tenho olhos de vidro. Você me enxerga, eu te sinto. Dizem que eu vejo tudo negro, não conheço bem as cores. Gosto é de cheiros e sabores. De música também, principalmente do barulho do chuveiro que bate na boca do ralo. Até mesmo fecho os olhos ao beijar, é o que me esquenta. Não sei como é o céu, só entendo minhas almas. Quando uma pessoa segura meu braço me pedindo ‘licença’, eu sigo seus passos. E confio, cegamente. Seja quem for. Sonho sempre com vozes, e às vezes até atravesso a rua correndo, e todos gritam para que eu pare antes que os pneus deslizem. Não gosto de óculos, daqueles que chamam de escuros, não preciso tapar o que já está tapado. Esconda-se de mim, mas fique por aqui, bem perto. Com um corpo, você me sente, e com um disfarce, eu te enxergo. O que aconteceria se meus olhos quebrassem?

Por Renato Zapata – AoOitavo

Ilustrado por Rafaela Sueitt

Anúncios